Bijayini Satpathy@Nrityagram: Dança Clássica em um Contexto Contemporâneo

Por Global Rasika

Quando Bijayini Satpathy pisou pela primeira vez no Nrityagram, instituto da dança Odissi fundado pela falecida Protima Gauri Bedi, ela sabia que não havia como voltar atrás. Em seus mais de vinte anos no Nrityagram, ela, juntamente com a famosa bailarina-coreógrafa Surupa Sen, cruzou com sucesso as barreiras culturais e linguísticas para esculpir um nicho para si na arena internacional de dança. Indiscutivelmente um dos grupos de dança mais procurados do mundo, o Nrityagram trabalhou extensivamente para explorar e expandir a pedagogia e vocabulário de Odissi, baseando-se em várias disciplinas de movimento para informar o seu processo e abordagem. Bijayini Satpathy, servindo atualmente como Diretora de Treinamento, compartilha conosco sua jornada pessoal em Nrityagram, seus pensamentos sobre Odissi, e a abordagem do Nrityagram no ensino da dança.

GR: Você poderia descrever o que na abordagem do Nrityagram à dança e ao movimento causou uma impressão tão duradoura durante sua primeira experiência como artista visitante?

BS: Eu cheguei em Nrityagram depois de ter treinado Odissi em Odisha [o local de nascimento do Odissi] por quase 12 anos. A primeira coisa que me surpreendeu sobre Nrityagram foi a beleza rústica e pura dos 10 acres de terreno da escola, vários estúdios grandes e abertos, acesso incondicional à música, e uma rotina repleta de atividades de manhã até a noite.
Depois disso, a coisa mais importante que realmente marcou para mim foi a análise constante de todo e cada pequeno movimento e gesto em relação ao momento da sua colocação na coreografia, em relação à música e ritmo. Intermináveis e interessantes discussões sobre como Guruji [Guru Kelucharan Mohapatra] deve ter pensado sobre cada movimento, e como se encaixavam perfeitamente na coreografia. Tecnicamente, pequenos movimentos eram desconstruídos para identificar padrões comuns, destacando nuances específicas que os faziam parecer diferentes. Discutíamos a geometria de movimentos e padrões espaciais, o fluxo de energia de cada movimento, pontos de esforço e libertação, onde era necessário respirar e relaxar e onde era necessário permanecer por mais tempo, e como nos relacionamos uns com os outros em coreografias de grupo, mesmo quando a dança é desprovida de um contexto emocional.
Horas e dias eram gastos sincronizando um movimento – não só na execução física do movimento particular, mas também na intenção.
Esses conceitos eram completamente novos para mim e vieram de Surupa. Para mim, eles eram como teoremas que eu podia aplicar a tudo que tinha aprendido até então, e de repente muitas novidades vieram à tona em minha dança. Havia tanta coisa nova para aprender que a minha empolgação de encontrá-las só começou a se acalmar depois de três anos.

GR: Vinda de um fundo bastante conservador de dança, como você integrou essas novas ideias do Nrityagram em sua própria abordagem à dança? Você acha que é difícil para os seus alunos provenientes de origens semelhantes compreender e integrar essas filosofias em sua prática?

BS: Eu tinha começado a achar a abordagem tradicional [à dança] repetitiva e limitante, e estava à procura de uma mudança, ou talvez até mesmo parar de dançar completamente. Eu não sabia o que estava procurando, ou onde encontrar, eu só sabia que estava procurando algum tipo de mudança. Assim, no Nrityagram, que estava bem na minha frente, só havia disponibilidade para abranger tudo, nunca houve nenhuma resistência. Tive a sorte de estar no lugar certo na hora certa.
Sim, eu gastei um bom tempo com os novos alunos ou aprendizes com longa experiência no Odissi explicando tudo isso. Digo-lhes que não é difícil adaptar essas novas ideias, mas tem que ter uma mente aberta para começar. Costumo perguntar-lhes porque eles querem mudar a partir de onde eles vieram. Digo-lhes em grande detalhe a respeito de quão frustrante será o que pode parecer começar tudo de novo. Isso é apenas para fazê-los perceber a sua resistência interna quando vem à tona.
Os hábitos são difíceis de romper. Ainda mais difícil é transcender as barreiras mentais. É interessante ver como a aprendizagem de uma técnica de dança diferente pode exigir uma mudança a partir de dentro para fora. Este é o lugar de onde a maior resistência vem. Por mais que prepararemos nossos alunos, a menos que ele/ela esteja completamente pronto, ansioso e ávido para isso [mudança], pode ser muito difícil.

GS: O Odissi é considerado por muitos como um estilo de dança muito “regionalista”. Qual é a importância para você de pensar a identidade regional sob a forma de dança? E como é que a proximidade do Nrityagram [longe de Odisha] afeta a sua abordagem e apresentação do Odissi?

BS: Todas as formas de dança clássica da Índia carregam em si o ethos cultural da região em que nasceram. Semelhante é o caso do Odissi. Eu não acredito que tem que ser Oriya, indiana, asiática ou viver em Orissa para se relacionar melhor com este ethos. A dança encarna tudo em sua fisicalidade, expressão e espírito. Se a pessoa entrega a si mesma/ego completamente à forma, nada importa. Os movimentos puros repetidos com total verdade e honestidade no momento nos levam para o estado original da mente. Sim, certo nível de exposição à cultura ajuda a compreender certas nuances melhor – por exemplo, assistir as mulheres da aldeia ou crescer ouvindo histórias mitológicas etc. Mas quantas crianças urbanas da Índia realmente têm essas experiências? Como podem distinguir uma árvore da outra? Quantas já trabalharam com as mãos sobre o solo? Como em qualquer metodologia de atuação, a pessoa tem que observar e aprender. Por exemplo, eu tive que observar aves por dias e meses para executar Jatayu. Ele simplesmente exige verdadeira motivação.
No entanto, a vantagem de estar fisicamente longe de Orissa tem nos ajudado a aprender, pesquisar, experimentar e crescer com total liberdade, sem a pressão do tradicionalismo e ideias conservadoras, o que muitas vezes pode ser um fator limitante. Nós apreciamos essa liberdade e ao mesmo tempo trabalhamos com um sincero senso de responsabilidade para com a grande tradição sagrada.

GR: Nrityagram é um dos poucos institutos de dança que adaptou o sistema Gurukul de aprendizagem, em que o aluno fica com o Guru por um período de tempo especificado para absorver a formação em um ambiente que é propício para o processo de aprendizagem. Como você adaptou este sistema para atender às necessidades do século 21?

BS: Gurukulas eram essencialmente isolados e simplistas. Aprender neste sistema é um modo de vida completo, com grande ênfase na aprendizagem dentro e fora da sala de aula, em igual medida. A aprendizagem de valores, verdade, dilema, e conflito interior de uma profissão, é uma parte inerente e natural de treinamento em um sistema Gurukula, e é aí que para absorver esse espírito, o professor passa a desempenhar um papel importante no processo.
Tudo isso acontece em Nrityagram, exceto que as condições de vida são relativamente modernas e confortáveis. Quando os alunos chegam aqui, eles vêm com a identidade de um indivíduo do século 21. Assim, nos relacionamos uns com os outros nesse nível. Enquanto aprendemos Odissi, arte de 2000 anos, nos articulamos de uma forma que seja acessível para esta geração e ao mesmo tempo, tem que se ter muito cuidado para que a essência cultural desta tradição não se disperse.

GR: Em virtude das exigências da sociedade contemporânea, você acha que a abordagem parampara Guru- Shishya à dança clássica está lentamente desaparecendo? Como você acha que isso vai afetar esta forma de arte?

BS: Eu vejo uma nova esperança agora a respeito da ‘mentorship’ na Índia e no exterior. Isso é uma coisa mais moderna, e é basicamente uma relação professor-aluno. Sempre haverá muito poucos adeptos da abordagem Guru-Shishya à aprendizagem, porque requer um alto nível de comprometimento, auto-motivação, dedicação e paciência nos alunos para estarem neste caminho. Só os que têm estes ingredientes-chave, além do talento, podem persegui-lo como se fosse uma bênção e não algum tipo de sacrifício que está fazendo com grandes dificuldades.
Eu sinto que leva menos tempo para construir uma relação pessoal profunda com uma arte em um sistema Gurukula, o que torna um dançarino diferente do outro. Em um sistema Gurukula, isso acontece mais rápido devido as horas dedicadas à prática, à abordagem holística e à intensidade da experiência em todos os níveis – físico, intelectual, emocional, e espiritual. Tudo favorece para que isso ocorra.

GR: Você poderia nos contar um pouco sobre o programa de treinamento no Nrityagram? Qual é a agenda diária para os artistas do Nrityagram?

BS: Um dia típico de um aluno/dançarino em Nrityagram começa muito cedo, às 6h com caminhada/jogging. Isso é para despertar os sentidos suavemente e esteticamente em meio a natureza, e despertar os músculos e articulações. Depois, cada um limpa seu espaço no Gurukula. Isto não é só para imprimir um senso de serviço comunitário, limpeza e higiene do próprio ambiente, mas também para desenvolver uma estética visual, tudo muito necessário para um dançarino.
Depois disso, todos se reúnem para uma sessão de condicionamento físico, como dançarino em geral, e, especificamente, como dançarino de Odissi. Depois de um curto intervalo para café da manhã, todos, independentemente do seu nível de formação, se reúnem para revisitar noções básicas da prática de Odissi como desenvolvido no Nrityagram, seguido pela prática de certas coreografias tradicionais. Esta é uma sessão de três horas supervisionada por um dos professores.
Sessão pós-prática, há uma lacuna de algumas horas onde os alunos irão para o almoço, em seguida, descansar e depois realizar o trabalho que lhe é atribuído, seja no escritório, cozinha, jardim, manutenção etc. Estudantes que buscam estudo acadêmico por meio de correspondência encontram tempo para estudar durante esta pausa também.
Uma sessão de treinamento individualizado começa no início da noite, onde os alunos recebem atenção pessoal para aprender o trabalho avançado, dependendo do seu nível. Após esse treinamento, os alunos são obrigados a fazer a sua própria prática, de modo que seu estudo do dia esteja atualizado. Depois disso, eles observam o ensaio geral. Um dia típico no Nrityagram termina às 21:00.
Estudo em sala de aula inclui o estudo de ritmo, música, compreensão da história do Odissi, estudo de textos como Abhinaya Darpana e Natyashastra, literatura, poesia, entender o significado religioso etc. Alguns destes estudos são planejados, e alguns acontecem quando há necessidade de um aprendizado mais específico.

GR: Como você desenvolveu esse programa? Você tira de outras práticas tradicionais/formas ocidentais, etc.?

BS: Gaurima – Protima Gauri enfatizou e organizou o treinamento multidisciplinar que tornou possível para nós sermos apresentados a várias disciplinas do movimento de todo o mundo.

GR: Além de um intenso regime físico, um estudo rigoroso de dança também é parte integrante do processo de formação. Você pode discutir os currículos e como você desenvolveu isso para seus dançarinos?

BS: Quando a mente está cheia de informações variadas, é propensa a estar atenta e aplicar essas informações durante a prática. Uma jornada interessante começou muito tempo atrás, em Nrityagram, primeiro por Surupa Sen e, em seguida, por mim mesma, o que resultou em uma abordagem muito acessível, sistemática e científica ao condicionamento antes de treinar um vocabulário de movimentos básicos de Odissi, expandindo e desenvolvendo um corpo que dança livre de lesões, consciente e saudável.
Continuamos nossos treinamentos em diferentes técnicas de dentro e fora da Índia para incluir [mas não limitado a]: Yoga, Natyashastra, artes marciais como Chhau, Kalaripayattu, Aikido, e outras formas de dança ocidentais como Ballet, Moderno, Contemporâneo etc.

GR: Qual é sua definição de aluno ideal?

BS: O aluno ideal deve ter a proporção certa de talento, paixão, paciência, auto-motivação, ambição, sede e curiosidade inesgotáveis. Mas acima de tudo é preciso abordar a aprendizagem com total humildade e um estado de ausência do ego, mas com grande dignidade própria.

GR: Você acha que seu programa de treinamento é replicável e poderia servir de modelo para outros institutos de dança na Índia?

BS: 100%
GR: Por anos, Nrityagram ampliou o vocabulário de Odissi e ofereceu uma estética muito diferente para essa forma de dança. Isto é algo que você espera continuar com as gerações futuras de Nrityagram? E se assim for, como você cultiva essa habilidade em seus alunos?

BS: Como explicado anteriormente, o treinamento e técnica utilizados pelo Nrityagram, prepara bem os alunos para o seu vocabulário expandido. Damos atenção muito específica e importante para todos os detalhes da apresentação e a coreografia de Surupa Sen integra tudo em uma coreografia que é contemporânea dentro da tradição. O nosso trabalho vai continuar nesse caminho.
Um estudante vivendo, aprendendo e praticando neste ecossistema está propenso a absorver tudo isso. É uma sensibilidade que eles vão levar dentro de si mesmos estando conscientes disso ou não. É bom ouvir … “era óbvio que ela treinou em Nrityagram ” … de um aluno nosso. Os alunos aprendem a ensinar em nossa metodologia. Eles são introduzidos muito cedo no processo de desconstruir o movimento, pensar o Abhinaya em termos de diálogo, e aprender os princípios básicos da coreografia também. Algumas coisas tornam-se seus hábitos, sua memória de sangue, e finalmente, a sua sensibilidade, enquanto algumas dessas coisas podem precisar ser trabalhadas.

GR: Quais são seus objetivos de longo prazo para o Nrityagram?

BS: Tem havido uma grande quantidade de trabalho significativo até agora. Nrityagram está entrando em seu 25º ano, em maio deste ano. Pretendemos começar a documentar todo o nosso trabalho e continuar a buscar a excelência na formação, investigação e performance. Temos um programa de sensibilização da comunidade muito forte, que enriqueceu a vida de centenas de crianças da zona rural em torno de nós, a maioria das quais vêm de um contexto social abaixo da linha de pobreza. Nossa técnica especial para ensiná-los Odissi é modelado segundo a técnica do Instituto Nacional de Dança de NY. Enquanto as crianças aprendem através da dança para encontrar alegria interior, liberdade, beleza, uma sensação de realização e sucesso no ambiente seguro de suas sessões de classe de domingo, eles se tornam mais confiantes e fortalecidos como indivíduos e carregam um sentimento de excelência em tudo o que eles fazem em suas vidas. Esperamos expandir ainda mais este programa no futuro.

Para aprender mais sobre o programa\ aulas ou oportunidade de treinar no Nrityagram, contate Bijayini em: dancebijayini@gmail.com

Texto por: Global Rasika, Celebrating Life
Foto: Kartik Venkataraman
Visite: www.globalrasika.com

Bijayini Satpathy@Nrityagram: Dança Clássica em um Contexto Contemporâneo

Blog | Nenhum comentário