A Dança da Criatividade

Por Merle O’Brien para Global Rasika – globalrasika.com
Photo: Cloe Romero. Dançarina: Sujata Mohapatra

À medida que os campos da arte e da ciência se movem para um espaço comum no século 21, a criatividade está tomando um espaço central em todos os campos da atividade humana, conduzindo uma nova forma de economia e redefinindo-se como uma arte em uma “ciência da vida”.

Trabalhando como vanguardista da criatividade, design e inovação – sendo também uma dançarina de Odissi, praticando uma das formas mais antigas de criatividade codificada do mundo, vejo que o futuro da criatividade parece notavelmente semelhante ao seu passado mais longíquo. Se isto é verdade, Odissi pode se tornar cada vez mais relevante como um sistema educacional para treinamento neuro-muscular para desbloqueio do potencial criativo humano.

Em 2010 iniciei uma pesquisa de doutorado na reemergente “ciência da vida” da criatividade, com base nos princípios da dança Odissi, conforme codificados na “ciência da vida védica” a dois mil anos atrás, no Natyashastra – a ciência da dança e do teatro.

Como a única estudiosa de dança Odissi Africana, esta linha de pensamento apresentou muitos desafios em um contexto acadêmico cartesiano moderno. E foi agravado pela política e dinâmicas culturais sul – Africanas.

Minha tese era de que movendo o corpo ritmicamente e repetidamente conforme certos arranjos espaciais e padrões sonoros, um estado de fluxo de consciência é ativado, aumentando a criatividade. O lider especialista em criatividade Csikszentmihalyi, define fluxo como uma “resposta holística ou estado favorável de experiência em que haja uma ordem na consciência”. Isso acontece quando a energia psíquica ou atenção é investida em metas realistas e quando as habilidades correspondem às oportunidades de ação.” (Csikszentmihalyi, 1990). Entre os desportistas, ele é descrito como o “jogo interno de domínio” (Timothy Gallwey), integração entre as funções reflexas conscientes e subconscientes (Roy Palmer e Lyoto Machida) e “uma dimensão diferente” (Ayrton Senna).

Minha experiência vivenciada nesta área, como uma dançarina clássica indiana  de Odissi, é um estado transcendental de equilíbrio dinâmico – dentro e fora – em que aspectos espaciais, temporais, corporais e relacionais de ser se alteram: os sentidos são aguçados, eu me observo observando o público observar-me; enquanto me movo, eu vejo detalhes minuciosos. É como se o tempo ficasse mais lento, enquanto o meu estado ritmico atinge o pico. O que parece ser um movimento de uma fração de segundo e eu sinto uma sensação de euforia de profundo amor e conexão. Esta experiência se correlaciona com seis fatores do estado de fluxo descrito por Nakamura e Csíkszentmihályi (2009).

Desde que JP Guilford destacou a criatividade como um fenômeno em 1950 durante seu discurso presidencial à Associação Americana de Psicologia, a pesquisa sobre criatividade tem sido largamente tendenciosa para o oeste; abordada nas áreas de psicologia, educação (pedagogia) e das artes cênicas e criativas. Sua relação com a inteligência é entendida em cinco sets; criatividade subsume inteligência, a inteligência subsume criatividade, elas se sobrepõem, elas são diferentes, e elas são a mesma coisa (Sternberg, 2004). Deve-se notar que, em pelo menos três culturas antigas – indiana, africana e chinesa – a inteligência tem mais a ver com a metacognição: auto-referência (védico), interligação (Ubuntu Africano) e homeostase (Dao chinês). Diferenças ontológicas na abordagem à espiritualidade, à consciência e ao misticismo são desafios para conciliar noções orientais e ocidentais da criatividade.

Se, através de dança Odissi, podemos descobrir os princípios de moderação pelos quais a arte (a) = xyz e ciência (b) = xyz , fazendo a = b – vamos entender a ciência para dançar como sabemos a ciência do movimento humano na forma de esporte .

Odissi é uma dança graciosa, refinada e sutil, mas poderosa. É realizada conforme padrões rítmicos matemáticos complexos. A técnica de movimento envolve o deslocamento do peso corporal através do prumo central do corpo entre as posições simétricas e assimétricas com base em padrões geométricos; o chauka (círculo), o Tribhangi (triângulo), brahmari (círculos) e Chari (vetores). O corpo é dividido em três áreas: a cabeça, tronco e membros inferiores, permitindo à dançarina se assemelhar a uma hélice; movendo-se em uma curva S. Esta técnica altamente refinada é realizada usando-se os músculos estabilizadores, sem mover a cintura pélvica.

Ao contrário da bailarina, que procura desafiar espaço, Odissi utiliza princípios girotonicos; trabalhando tão perto do chão quanto possível, com a “Mãe Terra” em posturas agachadas. Enquanto se move, a dançarina usa movimentos refinados de seus olhos, dedos e rosto para expressar uma gama de estados emotivos (Rasa) e códigos de linguagem não-verbal para contar histórias. Para desbloquear as faculdades intuitivas e aumentar a auto -referência, foi escrito que “a mão deve seguir o olho” no movimento. Tudo isso é executado com uma precisão matemática à música percussiva com base na escala de som sânscrito. A formação em dança Odissi tem uma abordagem pedagógica única, conhecida como Guru Parampara Shishya, que consagra o princípio védico central do ensino, que é “o sábio professor aspira ser derrotado pelo aluno e a menos e até que isso aconteça, o mundo não pode evoluir”.

Como uma antiga forma criativa de arte, Odissi foi codificado na cosmovisão ontológica da Filosofia Védica de que a arte e a ciência são unas. Em sânscrito, a raiz para a compreensão da criatividade é “Shakti”, traduzido como “energia cinética”. Shakti é incorporada na forma de uma deusa, cuja energia de todo o cosmos é co-criada em movimento perfeito.  Isso é descrito na mitologia indiana como “a dança da criatividade” de Nataraj, o dançarino divino. Shakti não é diferente do ‘Higgs-Boson’ (partícula de Deus) que faz parte do Modelo Padrão na Física. Esta partícula opera com a gravidade para manifestar o invisível na forma material do oceano de partículas criativas em que nós dançamos. Por esta razão, a dança indiana aceita que o espaço-tempo e a gravidade são um compacto como descrito pela teoria da Relatividade Geral de Einstein. E batendo nossos pés, nós ativamos o poder do som dentro de um compacto de tempo-espaço-gravidade para liberar a energia criativa no universo. Todas as formas de dança aborígenes antigas, incluindo danças africanas, tem esta dinâmica. O que é evidente, é que a ciência moderna está lentamente re-descobrindo a estrutura profunda subjacente à criatividade universal em que os antigos acreditavam  desde tempos imemoriais. Ao desenterrar o antigo, pode-se dar mais sentido ao novo.

No século 21, a codificação de software opera segundo o mesmo princípio dos dois lados da criatividade, como a arte e a ciência. Um codificador usa matemática (ciência) por trás de um site para criar a arte a ser experimentada pelo usuários do mundo da web. Compreender os princípios (XYZ) que moderam arte e ciência é fundamental. Aqui, Odissi, dança clássica indiana e as artes védicas têm muito a compartilhar para ajudar o mundo a compreender o paradigma da arte e da ciência como um. Na verdade, tudo pode ser um aplicando estes princípios xyz para toda a existência, em termos espirituais, o homem, como a criação do Divino, é a arte dela/dele de princípios xyz. E a criação do homem é a ciência de conhecer a arte do Divino. E se há uma arte para criar o mundo (a imagem que o Divino está pintando); o homem pode estar interpretando isso como ciência. Mas são a arte e a ciência, portanto, diferentes? Claro que não. Só a mente humana as definiu como duas coisas separadas. Porque, se os princípios se aplicam como fórmulas fixas para a perfeição do Divino, em que (a) = princípios xyz = (b), então tudo na criação seriam arte e ciência.

Portanto, no século 21 o nosso paradigma global está se deslocando para redefinir a criatividade como “ciência da vida”, usando princípios comuns da arte e da ciência que também se relacionam com a espiritualidade. O contexto rico em que o sábio Bharata codificou a dança e o drama indiano como uma ciência, pode muito bem ter sido dentro de um sistema econômico altamente criativo, onde o valor de uma experiência estética espiritual era tão rico e valioso como ele está se tornando hoje.

Pesquisas reais sobre criatividade, por sua própria natureza, seriam prejudiciais para o percurso prosaico convencional do conhecimento. Como o mundo transita para este novo paradigma, mantenedores do velho estão fazendo a batalha com guerreiros pelo novo.

Indo sob as fundações do pensamento moderno, estou desenterrando conhecimentos sobre princípios de criatividade que eram válidos 2000 anos atrás em forma de movimento criativo – isso ainda é verdade na ciência moderna no século 21. Com isso, esperamos aumentar o potencial criativo humano para lidar com os desafios do nosso tempo.

Trabalhando em inovação, eu aplico a inteligência criativa de Odissi abordando a coreografia como design ergonômico e espacial. Eu aplico a Teoria Rasa em design de experiência com empatia mais profunda e coisas complexas se tornam muito mais simples após a prática. Odissi, como uma forma única de conhecer, tem um eixo central da verdade que concilia o leste e o oeste, o antigo e o moderno, a arte e a ciência em um paradigma coerente do universo.

Portanto, Odissi é um gigante adormecido. Nos anos vindouros, aqueles que foram abençoados em treinar na tradição Parampara Guru Shishya, têm a responsabilidade de defender a “ciência da vida” e a tradição. Se o Odissi levou 2.000 anos para mover-se do templo para um teatro, no século 21 o estilo deve manter-se assim no palco global.

 

O que um dançarino de Odissi sabe? Como ele veio a saber o que ele conhece? Essas questões profundas só podem ser respondidas por meio de uma pesquisa acadêmica rigorosa na ontologia e epistemologia do conhecimento contido na “ciência da vida” da dança Odissi. É por isso que é importante para os dançarinos de Odissi, prosseguirem na investigação e abrir novos caminhos para a “dança de criatividade” ser compartilhada com o mundo.

A Dança da Criatividade